• Gustavo Gaiarsa

Calcio Storico, o futebol medieval de Florença

Não é um esporte delicado. É uma guerra. Mas o que você espera de um esporte milenar, que teve sua partida mais importante jogada durante uma batalha entre Florença e Roma?


Partida de Calcio Storico entre os Brancos e Verdes. Foto cortesia do amigo Mateus Alves

Era o dia 17 de fevereiro de 1530.


Os 14.000 homens das tropas do imperador Carlos V de Habsburgo cercavam Florença desde 14 de outubro do ano anterior, quando o imperador do Sacro Império Romano-Germânico decidiu apoiar a família Medici em sua tentativa de voltar a Florença para governar a cidade, então uma república de onde os Medici haviam sido expulsos durante o saque a Roma de 1527.


Os nobres de Florença decidiram então, como uma atitude de desprezo aos soldados que cercavam a cidade, jogar uma partida de futebol. O esporte não era novo na cidade, deriva de um antigo esporte jogado pelos romanos, o harpastum, e provavelmente tem origens no século XV, já que Dante Alighieri (que viveu entre os séculos XIII e XIV e foi o grande cronista da cidade em seu tempo, além de pai da língua italiana) não o cita em nenhum momento em seus escritos.


Naquele momento, em 1530, os 54 nobres se dividiram em 2 times, os Brancos de Santo Spirito, que representam a pureza espiritual, e os Verdes de San Giovanni (São João Batista, padroeiro de Florença), que representam a esperança, e durante 50 minutos jogaram em plena Piazza Santa Croce a partida de Calcio Storico que entrou para a história da cidade, embora não haja registros do placar final nem se saiba quem venceu a partida.


As tropas romanas, enfurecidas pelo desdém dos florentinos, começaram, de fora das muralhas da cidade, a disparar tiros de canhão contra os jogadores, sem conseguir atingir nenhum deles e causando alguns poucos danos à igreja de Santa Croce.


Nos séculos seguintes o esporte fez muito sucesso na cidade até o século XVII, quando inicia a desaparecer lentamente. Até os anos 30 do século XX as últimas partidas registradas haviam sido em 1739, contando com a presença de Maria Tereza, imperatriz da Áustria, além de outras duas partidas comemorativas jogadas em 1898 e 1902.


Foi só em maio de 1930, durante o período fascista, que houve uma retomada do esporte na cidade, em comemoração justamente dos 400 anos do Assédio de Florença por parte das tropas imperiais. Desde então o esporte vem sendo jogado ininterruptamente, exceto nos anos da Segunda Guerra Mundial, e é disputado por 4 equipes, que representam os bairros históricos de Florença:


- Os Brancos de Santo Spirito

- Os Azuis de Santa Croce.

- Os Vermelhos de Santa Maria Novella

- Os Verdes de San Giovanni

Cada equipe de Calcio Storico representa um bairro histórico da cidade e é representado por uma cor diferente.

As partidas (2 semifinais e 1 final) acontecem no mês de junho e a final é sempre jogada no 24 de junho, dia de São João Batista, padroeiro de Florença na Piazza Santa Croce, que é coberta de terra e cercada por uma arquibancada para a ocasião. As equipes são constituídas de 27 jogadores que jogam um único tempo de 50 minutos. A cada caccia (gol), as equipes trocam de campo.


As regras originais do jogo foram redigidas em 1580 e são muito semelhantes às regras atuais. São 33 regras, que na maior parte dizem respeito à cerimônia de abertura dos jogos, descrevendo a posição e trajes do desfile que antecede cada partida, além de que instrumento cada participante do desfile deve tocar e quando. Após a belíssima cerimônia de abertura os jogadores se posicionam em campo, divididos entre 5 Sconciatori (meio campistas), 7 Datori (goleiros, distribuídos em uma linha de 3 e outra de 4 pessoas) e 15 Corridori (atacantes), distribuídos em 3 linhas de 5. O objetivo é sempre fazer um gol no campo adversário e a bola é sempre jogada com as mãos, num jogo que lembra muito o rúgbi, mas mais violento.


Muitos jogadores estão em campo somente para imobilizar algum adversário, e assim que conseguem ficam grande parte da partida sobre o adversário imobilizado, numa espécie de jiu-jitsu com bola. Os critérios do juiz para dar uma falta são muito subjetivos, pois é permitido que os jogadores lutem entre si desde que seja sempre uma luta de 1 contra 1 e que ambos jogadores estejam dispostos a lutar contra o outro. Quando um ataque mal-sucedido faz com que a bola passe sobre a rede adversária errando o alvo o adversário ganha mezza caccia, meio ponto.


Ao final dos 50 minutos, ganha a partida a equipe que tiver a pontuação mais alta. O prêmio para a equipe vencedora é animal! Sério. A equipe que vence ganha um bezerro da raça Chianina, raça de boi típica da Toscana utilizada na famosa bistecca alla fiorentina!


Ainda que tradicionalmente as partidas sejam jogadas na Piazza Santa Croce, houve ocasiões em que foram jogadas em outras praças, como nos Jardins de Boboli ou na Piazza della Signoria, ainda porque até 1966 havia uma estátua em homenagem a Dante Alighieri exatamente no meio da praça, o que impossibilitava que as partidas fossem disputadas ali. Após a enchente de 4 de novembro de 1966 a estátua foi colocada sobre as escadarias da Basílica de Santa Croce e os jogos voltaram a ser disputados na praça.


Em duas ocasiões distintas, em 1490 e em 1605, partidas de Calcio Storico (ou Calcio in Costume, como também é conhecido) foram disputadas sobre o Rio Arno, então congelado por conta do inverno rigoroso daqueles anos.


Entre os jogadores célebres de Calcio Storico estão muitos membros s da dinastia Medici, como Pedro o Azarado, Lorenzo Duque de Urbino, Alexandre o Mouro, Cardeal Julio de Medici (que se tornaria papa Clemente VII), os grão-duques Cosimo I, seu filho Francisco I, entre outras tantas personalidades e autoridades de Florença e de cidades aliadas.


Em 2019 os Vermelhos de Santa Maria Novella venceram o Brancos de Santo Spirito por 8 a 2. Abaixo você pode ver um compacto dos melhores momentos da partida.



Se você vier a Florença em junho e for fã de esportes diferentes, não perca a oportunidade de assistir uma partida de Calcio Storico. Os ingressos geralmente são vendidos em um quiosque perto da Piazza della Repubblica, em pleno centro da cidade.



Pomodoro Tours di Pelosini Gaiarsa Gustavo P.IVA 06723760481

  • Facebook
  • Instagram